Luz

Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Di Art Blogger

O psicólogo aconselhou-me um Blog e perdeu uma paciente.

Di Art Blogger

O psicólogo aconselhou-me um Blog e perdeu uma paciente.

Seja parvo/a e vá!

Troquei o pão de forma pelo pão da padaria [e fui dar uma g´anda volta].

 

Dizem-me que o pão fresquinho da padaria é mais saudável que o pão de forma, quanto a isso, não estou certa, nem tão pouco vos posso esclarecer, mas que é mais gostoso isso aí nem preciso defender, nós sabemos.

 

O problema é que o pão de forma dura 15 dias lá em casa, o que torna tudo mais prático. Pega uma preguiça e acabo por usar muitas coisas práticas na minha vida, e quanto mais prática, mais preguiça pega em mudar.

Então, tenho-me apercebido que o prático é ótimo; para solução B. O que é bom e faz bem dá trabalho e nós até já sabemos muito bem disso.

 

Fazer uma caminhada diária; outra que dá trabalho, mas que manda o médico, todas as santas vezes que lá vou.

Passados 2 anos (Ya!) comecei a pensar a sério na tal caminhada e a idealizar um percurso – como se fosse preciso; sair na liberdade, sem destino, desprendida, só e confiante é o que caminhar te dá e fortalece – percebemos isso depois, estou a começar a perceber isso agora, mas como ainda não tenho isso, preciso programar, controlar, ter um objectivo - cabeças complicadas as nossas, bem, então, de casa á padaria dá uns 15 minutos a pé, ah, podia aproveitar e comprar pão fresquinho, na volta outros 15 minutos e tá feito.

 

- Querido, vou ao pão e já volto.

 

Sim parece parvo, que grande volta que eu fui dar para me obrigar e ter um pretexto para caminhar diariamente, e mais parvo é que nem é pretexto, porque passo todos os dias pela padaria de carro. Pois, mas o que funciona para uns não funciona para outros, todos temos formas muitos diferentes de chegar ao mesmo fim.

Importante é querermos, é pensarmos que temos de ir, que devemos faze-lo e pôr essa ideia na nossa mente – logo, logo, ou passado 2 anos, não interessa, o que interessa é que acontece! Independentemente do pretexto mais parvo que formos arranjar.

 

E agora o meu filho prefere o pão fresquinho da padaria, e o que é que uma Mãe não faz por um filho?

 

Um dia hei-de ir sem pretexto, mas por ora vou assim.

 

Di Art Blogger